quarta-feira, 17 de novembro de 2010

NOT HAPPING? INFELIZ!

NOT HAPPING? INFELIZ!

Boa noite! Foi à frase que de forma sorridente ele dedicou a ela ao chegar, acima de tudo ele sabia o quanto ela estava magoada por suas ações, e que, possivelmente, ele era a última pessoa que ela queria ver. Mas o destino de forma incoerente continua a uni-los. Pois, mesmo separados, estavam juntos e tentavam ter uma convivência pacífica, pois a pequena que entrou correndo pela casa quando a porta foi aperta, não merecia ser responsabilizada pelas escolhas feitas por seus pais.
Então era assim, apesar das mágoas que ela sentia dele e a paixão que ainda habitava nele, eram obrigados a se verem sempre que a pequena Olívia ia passear com o pai, e isso acontecia três vezes na semana. Ele havia encontrado artifícios para evitar vê-la, pois tentava se recuperar da intensa dor que a separação lhe havia trazido, ele ainda a amava, mas ela estava decidida e merecia ter sua posição respeitada, mas naquele dia uma felicidade diferente habitava seu coração.
Terminei! Foi o que ele disse ao virar as costas para ir embora – Terminou o que? Responde ela de forma distante. Com um singular brilho nos olhos ele revela: O romance... Aquele que estava parado sob a mesa desde que nos separamos, finalmente consegui terminá-lo... E será publicado em breve, queria te mostrar antes, já que eu sempre lia para você. O que se seguiu foi o silêncio, após alguns segundos uma frase firme e segura o acerta como a um alvo. Vou ver, tá?! Você vai ver o manuscrito ou vai ver se irá ler? Perguntou ele confuso. Vou ver se quero ler, boa noite! Foram estas as palavras que ela entoou antes de virar as costas e fechar a porta.
E ele ficou ali, parado, em frente ao vazio que o distanciava da porta do apartamento que um dia foi seu mundo, ele respirou fundo e foi embora. Enquanto caminha em direção ao elevador uma única palavra habitava sua mente: VACA!
Podiam-se ouvir os passos dele indo vagarosamente embora, e ela ali parada de costas apoiadas na porta, em sua mente milhares de idéias sobre como sua vida podia ter se transformado de forma tão radical, aquele que, há poucos instantes, de forma educada havia expulsado, um dia foi seu grande amor.
Entre as imagens que habitavam sua cabeça estava o dia em que se conheceram, assim como o dia que, de forma súbita e irresponsável, ele apareceu em sua porta pela primeira vez, sem se importar com as conseqüências, se lembrou de uma ocasião em que brigaram e para fazer as pazes, depois de oito buquês enviados para sua casa, ele aparece em uma noite chuvosa no meio do caminho com mais um, se lembrou das inúmeras aventuras, passeios, viagens... As milhares de vezes que fizeram amor.
Mas também se lembrou das discussões, das mágoas, das marcas que foram profundas e que talvez nunca se recuperem, das madrugadas que, acordada, o aguardava e acima de tudo se lembrou das traições.
Ela era uma mulher independente, inteligente, madura e jamais iria admitir ser feita de idiota... Ela encheu-se de coragem e pôs um fim. Mas isso já faz um ano.
Ele ainda a amava, isso ela sabia, pelo menos era o que ele dizia, mas ela não conseguia acreditar. Se o amava ainda... Isso ela não sabia mais responder!
Ela pára e faz um retrospecto de sua vida, principalmente de sua vida após a separação. Olha-se no espelho contemplando-se, insegura de si observa que mudou o visual, passou a se arrumar melhor, saiu inúmeras vezes com suas amigas que agora são muitas, conheceu o amor de outros homens, era mais do que nunca dona e senhora de si...
A luz fraca do quarto ilumina a pequena Olivia, que descansa em paz, olhando para sua menina naquela casa vazia, cheia de recordações boas e ruins indagou-se: hoje, depois de tudo que passou ela era mais feliz?

22/09/2010 – 01h24m
Leia ouvindo – Lembra (Cibelle –The Shine Of Dried Electric Leaves)



3 comentários:

Anônimo disse...

BOM DIA, MEU AMIGO, SAUDAÇÕES... FAÇO NESTES COMENTÁRIOS A SEGUIR UMA MENÇÃO A SUA LITERATURA ANGUSTOSA, SUA VIDA EM POUCAS LINHAS É RETRATADA DE FORMA BEM INTERESSANTE, EMBORA TROCADO AS PERSONAGENS, COMO BEM O CONHEÇO PUDE RETRATAR A TUA HISTÓRIA, NÃO SOFRA ASSIM, TAMBÉM PASSEI POR UMA SEPARAÇÃO, CHEIA DE TRAUMAS E ANGÚSTIAS, NÃO LBERE SENTIMENTOS QUE POSSAM TRAZER A VOCÊ ANGÚSTAS, VOCÊ É MELHOR QUE ISSO E MERECE MUITO MAIS, ''A FELICIDADE QUER ACOMPANHA-LO , MAS , SÓPODERÁ FAZER PARTE DE TI SE VC CONVIDÁ-LA A ANDAR CONTIGO... TE AMO E SAUDADES, BEIJOS MIL AMIGO E IRMÃO... ESPERO VOCÊ EM CASA, VIU?
ME LIGA SEU CRÁPULA...

david andre disse...

Dé meu amigo vc arrazou
parabens mais uma vez amei seu blog e adorei o a sinopse do ''vida e morte''

nossa espero poder tah ae pra assistir esse espetaculo maravilhoso !!!!


lembranças de DAVID ANDRÉ!!!

fernando disse...

poxa legal dé da hora gostei desa parte Mas também se lembrou das discussões, das mágoas, das marcas que foram profundas e que talvez nunca se recuperem, das madrugadas que, acordada, o aguardava e acima de tudo se lembrou das traições,Acho mostra um pouco da vida que realmente acontece com algumas pessoas qundo decide viver uma vida dupla com seus altos e baixos da hora tah muito bom o texto.

falouu